Imagem de <a href="https://pixabay.com/pt/users/ArtsyBee-462611/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=1595369">Oberholster Venita</a> por <a href="https://pixabay.com/pt/?utm_source=link-attribution&utm_medium=referral&utm_campaign=image&utm_content=1595369">Pixabay</a>
Imagem de Oberholster Venita por Pixabay

“Corre entre os Bijagós, da Guiné, a lenda de que foi o Macaquinho de nariz branco quem fez a primeira viagem à Lua. A história começou assim: Nas proximidades de uma aldeia, os macaquinhos de nariz branco, certo dia, de que se haviam de lembrar? De fazer uma viagem à Lua e trazê-la para baixo, para a Terra.”

Assim começa o conto “A lenda do tamborinho”, um dos 34 contos africanos disponíveis para download que o Ceará Criolo encontrou no site O Incrível Zé. Não é possível saber a autoria de algumas histórias ou de quais países elas seriam originárias. Mas alguns textos dão pistas, fala-se de um jovem angolano, de Guiné-Bissau, de Guiné e de Moçambique.

“O homem chamado Namarasotha”, “A gazela e o caracol”, “A menina que não falava” e “O jabuti e o hipopótamo” estão entre as histórias disponibilizadas, embora algumas apareçam mais de uma vez. Os diversos textos são encontrados em blogs, sites (como o Geledés) e em materiais de apoio para professores (como pode ser visto em https://canalcederj.cecierj.edu.br/012016/4fdf1f6c2affd21bab53fd6a7418d4f1.pdf).

A publicação do Canal Cederj, ao falar sobre a cultura africana, destaca: “Nesta, a tradição oral pode ser vista como um conjunto de ensinamentos, saberes e conhecimentos que veiculam e auxiliam homens e mulheres, crianças, adultos/as e velhos/as a se integrarem no tempo e no espaço e nas tradições. Sem poder ser esquecida ou desconsiderada, a oralidade é uma forma encarnada de registro, tão complexa quanto a escrita, que se utiliza de gestos, da retórica, de improvisações e de danças como modos de expressão.”

Para conferir os contos, acesse: oincrivelze.com.br/wp-content/uploads/2015/11/CONTOS-AFRICANOS.doc

Deixe um comentário

Categories: Afrossaberes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *