Legado do autor será reavivado a partir de vozes da contemporaneidade, como a filósofa Djamila Ribeiro, e conteúdos inéditos serão lançados ao longo de 2022

Em comemoração ao centenário da morte do jornalista e escritor Lima Barreto, acaba de ser lançado o projeto “Espalhe Lima Barreto”. A iniciativa destaca o legado do autor por meio de vídeos, artes e textos em formato bilíngue e de livre acesso. Idealizado por Lilia Schwarcz (professora titular da USP e Global Scholar na Universidade de Princeton), o projeto é uma realização do Brazil LAB (Universidade de Princeton) e da Companhia das Letras, com apoio do Princeton Institute for International and Regional Studies (PIIRS).

Até novembro (mês que marca os 100 anos da morte do autor), vídeos inéditos serão lançados em espalhelima.com.br, com personalidades negras declamando trechos da obra do autor. A primeira é Djamila Ribeiro, filósofa e escritora, que dá voz a excertos do livro “Clara dos Anjos”.

Estão nos planos, além dos vídeos, disponibilizar pinturas e ilustrações de artistas diversos inspiradas no escritor e textos completos em formato e-book. Embora Lima Barreto esteja entre os mais importantes escritores brasileiros, sua obra ainda preserva muitos potenciais a serem explorados e reconhecidos, inclusive no exterior. É por isso que o projeto se propõe a divulgar em português e inglês uma obra que, durante muito tempo, ficou fora do cânone literário e do modernismo. A escolha do mês de lançamento do projeto, fevereiro de 2022, busca justamente enegrecer o debate em torno da arte modernista em meio às celebrações do centenário da Semana de Arte Moderna de 1922.

Responsável pela produção digital, a Baioque Conteúdo desenvolveu o portal (inicialmente uma landing page que dará espaço a um site completo ainda no primeiro semestre), coordena e presta consultoria à parte audiovisual do projeto e tem a missão de desenvolver as peças de divulgação para redes sociais.

“O apoio artístico e técnico da Baioque foi fundamental para a criação da plataforma Espalhe Lima Barreto. Sob coordenação do Brazil LAB (Universidade de Princeton) e da Companhia das Letras, esse projeto ilumina o legado de um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos, cuja obra foi silenciada pelo racismo e permanece atual frente aos dilemas contemporâneos. Ao longo do mutirão Espalhe Lima, nos tornamos uma única equipe e já estamos nos mobilizando para novas colaborações”, explica Guilherme Fagundes, antropólogo e representante do Brazil Lab.

Newman Costa, Diretor de Audiovisual da Baioque, explica que o movimento “Espalhe Lima” será uma oportunidade de reconhecer a vida e obra de Lima Barreto, mas também lançar nas redes conteúdo de impacto social, pilar caro à empresa. “Trazer sua obra, além de ampliar acesso a um conteúdo cultural riquíssimo, levanta uma provocação para que a sociedade reflita sobre questões como a exclusão social e o racismo. Já temos o exemplo do embranquecimento de Machado de Assis, contra o qual até hoje precisamos lutar, e o pequeno espaço dedicado a Lima dá continuidade ao apagamento da produção negra no Brasil. Para nós, este trabalho é uma homenagem, mas também uma luta”, conclui.

Share.

Leave A Reply