O Festival Internacional do Audiovisual Negro do Brasil (FIANb) tem sua segunda edição entre os dias 16 e 20 de novembro. Em formato híbrido – com ações presenciais na sala Lima Barreto no Centro Cultural São Paulo e online para todo o país via plataforma de streaming, TodesPlay e canal do YouTube. – o evento, que é realizado pela Associação de Profissionais do Audiovisual Negro (APAN), conta com o patrocícinio da SPCineAmazon StudiosAmazon Prime e apoio do Projeto Paradiso.

Nesta edição, o Festival visa ampliar o debate sobre a presença e permanência de profissionais negros no mercado audiovisual brasileiro e no imaginário coletivo. A ideia é estimular a conversa sobre futuros possíveis para a população negra a partir do contexto de políticas públicas, que fazem parte da parcela responsável pelo aumento significativo do levante do Audiovisual Negro no país.

“Seguindo os passos dados na 1ª edição do festival, em que o foco da elaboração da programação foi pensar a permanência de profissionais negros no audiovisual, trazendo novos modelos de produção e dialogando com o mercado, a proposta deste ano ainda está relacionada com esta permanência, mas desta vez trazendo também a disputa dos espaços simbólicos como campo de construção” – afirma Kariny Martins, que faz parte da Coordenação Geral e é uma das Diretoras Artísticas do FIANb.

A programação inclui espaços de diálogos, laboratórios de desenvolvimento de projetos de documentário em andamento (curta, longa e narrativa seriada) e Workshops, além de uma mostra de filmes nacionais e uma internacional. Na mostra nacional, cinco sessões apresentam uma parte da produção negra, fruto de recentes e ameaçadas políticas públicas Brasil. Também será apresentado o programa Lampejos de Futuro, com filmes e experimentos audiovisuais brasileiros lançados neste ano e que articulam um forte desejo de permanência e ampliação de presenças. Já a sessão internacional traz três filmes em parceria com o coletivo caribenho Cinemawon e leva o nome ‘Para não esquecer: Respira’.

Ao todo serão 34 filmes disponíveis .Veja a programação completa:

PROGRAMAÇÃO

Mesas e debates – Youtube
16/11, às 19h – Mesa de abertura: O Cinema Negro no Cinema Brasileiro: perspectivas, oposições e conversas.
17/11, às 16h – Mesa 1: Trajetória e resultados: análise de dados na construção de um novo cenário cinematográfico.
17/11, às 18h Mesa 2: Para pensar o conteúdo nos streamings e a disputa narrativa.
18/11, às 16h – Mesa 3: Políticas públicas e ações afirmativas em tempos pandêmicos: editais emergenciais – suas configurações e desdobramentos no audiovisual negro.
18/11, às 18h – Mesa 4: Políticas afirmativas na prática: resultados positivos “cases” de sucesso.
19/11, às 16h – Mesa 5: Ensino público de cinema: o início das negociações.
19/11 às 18h – Mesa 6: Articulação da diáspora latino americana: narrativas negras em movimento
20/11, às 15h30 – Mesa 7: APRESENTA: Manual Antirracista e Revista APAN
20/11, às 19h – Mesa de encerramento

Mostra – plataforma TodesPlay
Do dia 16/11 até às 12h do dia 21/11

Workshops
18/11, das 9h30, às 12h30 – Construção de personagens em filmes híbridos – Com Vinícius Silva
19/11, das 9h30, às 12h30 – Introdução à assistência de direção – Com Thuan Mozart

Laboratórios
Laboratório Negras Narrativas – O Lab Negras Narrativas integra a programação do FIANb. A novidade desta edição é o laboratório Work in Progress no qual serão selecionados documentários, em etapa de finalização, para receberem consultorias, análises de estrutura e debates sobre roteiro e montagem a partir das obras já filmadas, montadores e editores negres. Os interessados poderão participar desta atividade como uma plateia ativa. As consultorias contarão com especialistas nas áreas de roteiro, montagem e edição. Outra novidade nesta edição são os projetos de documentário Serão selecionados nove projetos dos distintos formatos, curta, longa e série para consultoria com diretores, produtores e especialistas do gênero no cenário nacional.

Laboratório de Produção Criativa – O Laboratório de Produção Criativa do MECAA, espaço de mercado integrante da programação do 2º FIANb, abre espaço para vozes insurgentes que transpuseram as barreiras delimitantes do audiovisual e se deslocam em direções de destaque ascendente nas mais diversas áreas do mercado. A proposta para esta edição do Laboratório de Produção Criativa do MECAA é ser, fazer e ver o audiovisual como agente inclusivo social, artístico e econômico, visando dar conta das múltiplas realidades dos profissionais negros do mercado audiovisual nacional, com diferentes níveis de formação, estrutura de suas empresas produtoras e estágios de seus projetos assim como, fomentar e fortalecer a cadeia produtiva do audiovisual negro; aumentar a presença e instrumentalizar os realizadores e realizadoras associados a APAN para uma ação fortalecida e estratégica na indústria criativa nacional
.

unnamed 2
Share.

Leave A Reply