>
5 de Agosto, 2021
Bruna Rodrigues

Bruna Rodrigues tem 33 anos, é natural de São Paulo e tornou-se juíza no Ceará em fevereiro de 2016

Mulher negra preside julgamento mais longo do Ceará

Com duração superior a 30 horas, o julgamento mais longo da história do Ceará encerrou na noite dessa terça-feira (1º/12). E teve como protagonista uma mulher negra.

Foi a juíza Bruna dos Santos da Costa Rodrigues quem presidiu toda a sessão do júri popular que condenou o empresário Marcelo Barberena a 82 anos de prisão pelo assassinato, em 2015, da então esposa Adriana Pessoa de Carvalho e da filha Jade Pessoa de Carvalho.

O crime aconteceu em Paracuru, município praiano da Região Metropolitana de Fortaleza no qual Bruna Rodrigues atua há pouco tempo. Ela ingressou na magistratura cearense em fevereiro de 2016 e, a princípio, foi designada para a Região Norte do Estado.

Hoje aos 33 anos, a juíza é natural de São Paulo e foi a única negra da turma de 76 juízes empossados há quatro anos pelo Tribunal de Justiça do Estado do Ceará (TJCE) no que foi naquele tempo a maior cerimônia do tipo em toda a história da instituição.

Uma foto de solenidade de posse que certamente você já viu circulando pelas redes sociais num meme que denuncia o quão embranquecido é o Poder Judiciário brasileiro e o quão enegrecidas são profissões social e historicamente desprezadas.

WhatsApp Image 2020 12 02 at 00.37.07
Reprodução Instagram

Repare bem. Tente localizar Bruna entre os homens brancos e mulheres brancas de beca em frente ao Palácio da Justiça, sede do TJCE, em Fortaleza. É um exercício difícil. Para recordar: de 76 pessoas, apenas ela era negra. Ou: 1,31% do total, sendo que 56% da população brasileira se identifica como negra.

WhatsApp Image 2020 12 02 at 00.50.17
FOTO: Nadson Rodrigues/TJCE

Algo de errado não está certo, concorda? Por isso que, sim, devemos enaltecer: é NEGRA a juíza do julgamento mais longo de toda a história do Ceará. Negra e pulso firme. Ela, pertencente a uma categoria (mulher retinta) que sofre a maior quantidade possível de repressões sociais, condenou um homem branco, heterossexual, cis e rico, o indivíduo que está no topo do nosso estrato de sociedade, à prisão.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *