Edição apresenta locais históricos do Brasil onde a história e a cultura negra resistem

Nesta sexta-feira (5/11), o Estação Livre mostra a beleza e a influência dos povos negros em nosso país. A edição faz um passeio pelo Brasil, desbravando os territórios negros e apresentando os lugares onde a história e a cultura negra resistem e fazem parte do roteiro turístico das cidades. No comando de Cris Guterres, vai ao ar a partir das 22h, na TV Cultura.

O Estação Livre conversa com personagens locais para entender o significado desses lugares no contexto das cidades e como a urbanização se deu a partir da colaboração dos povos escravizados. Participam do programa o jornalista e escritor Abílio Ferreira e a historiadora e especialista em afroturismo Solange Barbosa.

Reportagens

Durante a escravidão, Salvador foi o segundo maior porto de desembarque de africanos nas Américas. Não é de se espantar que a cidade seja um foco de resistência e cultura negra até hoje. A primeira matéria da edição mostra um pouco dessa cultura na Roma negra brasileira.

O Estação Livre visitou também o Recife e o anfitrião por lá foi Cannibal, vocalista da banda punk Devotos. O passeio foi ao som do afoxé e do maracatu ancestrais, ambos com sede na comunidade do Alto do Zé do Pinho, tradicional reduto cultural da cidade.

Outra atração do programa é a caminhada São Paulo Negra, que promove um passeio por pontos da capital paulista que são símbolos de resistência do povo preto na cidade. Ela acontece na região central e boa parte do roteiro é desconhecido dos paulistanos.

O projeto Memórias, Narrativas e Tecnologias Negras na Baixada Santista trabalha para combater o apagamento histórico da população negra na região. Eles fizeram um mapeamento que já conta com 114 lugares e personagens cadastrados.

Outro passeio da edição, conduzido pela historiadora Luana Ferreira, e que foi redescoberto debaixo de toneladas de terra, é o Cais do Valongo, no Rio de Janeiro. Ele foi ponto de chegada de mais de um milhão de escravizados africanos e ao seu redor formou-se uma “Pequena África”.

Para desmistificar a ideia de que o Sul do país é habitado apenas por pessoas com clara descendência europeia, o Estação Livre foi até Porto Alegre apresentar os vários locais que contam a história de resistência do povo negro.

A atração traz ainda o Vale do Ribeira, em São Paulo, que concentra cerca de 50 comunidades remanescentes de quilombos, símbolo da resistência negra na região. E há mais de 300 anos, os quilombolas manejam a Floresta Atlântica e praticam o tipo de agricultura herdado dos povos tradicionais das terras brasileiras. E esse trabalho alimenta muito mais do que as comunidades locais.

Para finalizar, a fotógrafa Marcela Bonfim fala que seu lugar de resistência em Rondônia é o Rio Madeira e o jornalista e influenciador Kadu Alvorada conta que se descobriu um homem negro quando conheceu o CODENPA (Cia Dendê Norte Paraense).

Share.

Leave A Reply