14 de Abril, 2021
Supa Modo 2018 de Likarion Wainaina Quenia 01 cred One Fine Day Films

Nova temporada do Cine África on-line estreia dia 10 de setembro

Entre os meses de setembro e novembro, a Mostra de Cinemas Africanos apresenta a nova edição do Cine África com vários títulos de ficção e documentários, alguns inéditos no Brasil. O projeto on-line e gratuito traz 12 sessões, sendo dez longas e dois programas de curtas, todos legendados em português e com filmes de destaque de Burkina Faso, Camarões, Egito, Etiópia, Nigéria, Quênia, Senegal e Sudão, e outras atividades.

O Cine África é uma realização do Sesc São Paulo e as exibições serão realizadas no site da plataforma Sesc Digital (https://sesc.digital/home). Todas as quintas, a partir do dia 10 de setembro, a mostra estreia um filme novo, que ficará disponível por uma semana na plataforma, acompanhado de uma entrevista exclusiva com o/a diretor/a.

Está previsto um bate-papo com o tema “cinemas africanos em contexto digital”, na live do Cinema da Vela, tradicional encontro no Cinesesc, em São Paulo, que durante a pandemia de Covid-19 ganhou sua versão virtual. O Cine África inclui também o curso “Cinemas Africanos: trajetórias e perspectivas” com duração de três meses e o lançamento de um e-book ao final da temporada. A curadoria da mostra é assinada por Ana Camila Esteves.

Madame Brouette (2002), de Moussa Sene Absa (Senegal)

O filme de abertura é o drama “Fronteiras” (2017), da diretora Apolline Traoré. Produção de Burkina Faso, acompanha quatro mulheres que fazem uma perigosa viagem do Senegal à Nigéria. Entre os destaques inéditos está a comédia “aKasha” (2019), de hajooj kuka, primeiro longa de ficção do cineasta e ativista sudanês. “O Fantasma e a Casa da Verdade (2019), de Akin Omotoso, mesmo realizador do longa “Vaya” (2016), acompanha uma mulher que tem a filha sequestrada em Lagos (Nigéria). Outros títulos importantes da mostra são “Nada de errado” (2019), documentário coletivo sobre imigrantes africanos (legais e ilegais) na Suíça, e o drama queniano “Supa Modo”, sobre uma menina com uma doença terminal que sonha ser uma super heroína.

Cinema da Vela (2/10, às 17h)
Tema: Cinemas africanos em contextos digitais. Participantes: Ana Camila Esteves (Brasil), Marina Gonzaga (Brasil/França) e Jorge Cohen (Angola). No canal do Cinesesc no YouTube: https://www.youtube.com/CineSesc

Curso
Com duração de três meses, a atividade oferece um panorama sobre os cinemas africanos. As inscrições gratuitas abrem no dia 10 de setembro e são oferecidas 35 vagas. Facilitadores: Ana Camila Esteves, Jusciele Oliveira, Morgana Gama e Marcelo Ribeiro.

Inscrições em: https://inscricoes.sescsp.org.br/online – a partir do dia 10/09 (quinta-feira), às 14h.

E-book
Ao fim do evento, será disponibilizado um e-book – desenvolvido ao longo das atividades – com textos sobre o universo dos cinemas africanos em diversos formatos: artigos, ensaios, entrevistas e críticas.

Longas selecionados
“aKasha”, de hajooj kuka (Sudão, 2019);

“O Enredo de Aristóteles” (“Aristotle’s Plot”), de Jean-Pierre Bekolo (Camarões, 1996);

“O Fantasma e a Casa da Verdade” (“The Ghost and the House of Truth”), de Akin Omotoso (Nigéria, 2019);

“Fronteiras” (“Frontieres”), de Apolline Traoré (Burkina Faso, 2017);

“Lua Nova” (“New Moon”), de Phillipa Ndisi-Hermann (Quênia, 2019);

“Madame Brouette”, de Moussa Sene Absa (Senegal, 2002);

“Nada de errado” (“No Apologies”), de vários diretores (Suíça, 2019);

“O Preço do Amor” (“Price of Love”), de Hermon Hailay (Etiópia, 2015) – Drama – 99 min;

“Rosas Venenosas” (“Poisonous Roses”), de Fawzi Saleh (Egito, 2018).

“Supa Modo”, de Likarion Wainaina (Quênia, 2018)

Programas de curtas
“Beyond Nollywood – Sofrendo e Sorrindo” (Nigéria) – Programa de curtas;

“Quartiers Lointains – Afrofuturismo” (diáspora francesa) – Programa de curtas.

MAIS INFORMAÇÕES

Site oficial: www.mostradecinemasafricanos.com

Instagram: @mostradecinemasafricanos

Facebook: /mostradecinemasafricanos

E-mail: [email protected]

Crédito das imagens: Supa Modo (2018), de Likarion Wainaina (Quênia) – One Fine Day Films

Madame Brouette (2002), de Moussa Sene Absa (Senegal) – Les Productions La Fête

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *