21 de Setembro, 2020

10 fatos sobre o Dia da África para você conhecer

Reunimos os 10 principais fatos que você precisa conhecer sobre o Dia da África e a história por trás desta data.

Em comemoração ao Dia da África, o 25 de maio celebra anualmente a independência, liberdade e luta de libertação do continente africano do poderio imperialista e colonial.  A luta culmina na primeira união de países africanos em solo africano; a fundação do órgão de integração regional; a Organização da Unidade Africana (OUA) em 25 de maio de 1963, que 38 anos depois, evoluiu para a União Africana (UA).  Hoje, a organização continental celebra 54 anos de esforços determinados pela unidade entre os povos africanos, e pela liberdade socioeconômica do domínio e exploração estrangeiros.  Estes são os 10 fatos mais importantes sobre o Dia da África que você precisa conhecer (o texto apresentado a seguir é uma tradução resumida, cuja matéria original pode ser visualizada aqui).

1. Inspirado na Independência de Gana

A independência de Gana serviu de inspiração para outros países africanos que lutavam contra o domínio colonial; Gana desempenhou um papel central nesse objetivo. Um ano após sua independência, Gana convocou a primeira Conferência dos Estados Africanos Independentes em 15 de abril de 1958. Entre os países africanos presentes estavam Etiópia, Líbia, Sudão, Libéria, Egito, Tunísia e Marrocos, entre outros, com representantes da Frente de Libertação Nacional da Argélia e da União dos Povos Camaroneses. A conferência foi uma plataforma coletiva da afirmação explícita da rejeição da África ao domínio colonial e imperialista do continente, tornando-se a primeira Conferência Pan-Africana de Libertação a ser realizada no continente, reunindo vários países africanos.

2. Convenção de “1000 Anos”

Cinco anos depois, em 25 de maio de 1963, seguindo os sentimentos da conferência realizada em Gana, foi formada a Organização de Unidade Africana (OUA), em Adis Abeba, Etiópia, sediada pelo Imperador da Etiópia, Haile Selassie. A OUA foi formada em uma reunião com mais de trinta nações africanas com o objetivo de influenciar a descolonização de países africanos incluindo Angola, África do Sul, Moçambique e Rodésia do Sul. A organização se comprometeu a apoiar os combatentes pela liberdade e remover o acesso militar às nações coloniais, e uma carta foi estabelecida para melhorar a subsistência dos estados membros em toda a África, onde Selassie prometeu: “Que esta convenção de união dure 1.000 anos“.

3. Unidade e Identidade Africanas

A primeira Conferência dos Estados Africanos Independentes, realizada em 15 de abril de 1958, em Gana, encorajou e carimbou ainda mais uma identidade africana comum de unidade e luta contra o colonialismo. A conferência também apelou para a observância do Dia da Liberdade Africana uma vez por ano para marcar “o progresso em frente do movimento de libertação, e para simbolizar a determinação do povo da África em se libertar da dominação e exploração estrangeiras“. O dia 15 de abril foi decretado como o Dia da Liberdade Africana ou Dia da Libertação da África, e países de todo o continente celebram e marcam a comemoração a cada ano, com a África do Sul celebrando seu Dia da Liberdade no dia 27 de abril de cada ano. Na formação da OUA , em 25 de maio de 1963, isso marcou o início do que mais tarde seria conhecido como o Dia da África.

4. A Ascensão da África do Sul na União Africana

Na África do Sul, o partido da libertação contra o Apartheid Rule, o Congresso Nacional Africano não pôde participar formalmente da primeira Conferência dos Estados Africanos Independentes em Gana, pois foi impedido pelo governo do apartheid no poder. A África do Sul só passou a fazer parte da Organização da União Africana em 1994, após o fim da regra do Apartheid, onde mais 21 estados membros haviam aderido à OUA desde sua fundação em 1963. Trinta e oito anos após a sua formação, a OUA evoluiu para a União Africana em 25 de Maio de 2001, onde a África do Sul abriu o caminho como membro fundador. Embora a organização da UA continue sediada em Adis Abeba, Etiópia, o seu braço legislativo, o Parlamento Pan-Africano, está situado em Midrand, África do Sul.

5. O Desenvolvimento da União Africana

No 50º Aniversário da União Africana celebrado em 2013, a Presidente da Comissão da UA, Nkosazana Dlamini-Zuma, a primeira mulher presidente da Comissão da UA , liderou o lançamento da Agenda 2063, uma visão a longo prazo de onde a África deveria estar dentro de 50 anos, grandes desenvolvimentos foram vistos. ” Os temas são frequentemente definidos para cada ano de comemoração do Dia da África, sendo o tema mais notável o de 2015 o “Ano do Empoderamento e Desenvolvimento das Mulheres rumo à Agenda da África 2063″. Este tema foi para elevar e inspirar o papel das mulheres na liderança e na elaboração de políticas da União Africana e no seu trabalho no Dia de África.

6. O empoderamento das mulheres na União Africana

Ao receber a sessão de Nkosazana Dlamini-Zuma como a primeira mulher presidente da Comissão da UA, muitos argumentaram que o continente não estava pronto para que uma mulher assumisse essa posição. No entanto, Dlamini-Zuma conseguiu dar saltos em seu mandato e rachou a suposição de que as mulheres são incapazes de se envolver na organização continental. Este ano trouxe oportunidade para mais duas mulheres entre cinco candidatas, que estão na corrida para suceder à posição de Dlamini-Zuma como Presidente da Comissão da UA. Durante seu mandato, Dlamini-Zuma fez dos direitos da mulher o tema de duas cúpulas consecutivas da UA, onde o órgão continental iniciou uma grande campanha para acabar com o casamento infantil, o que tem tido resultados notáveis.

7. Controle e Prevenção de Doenças em todo o continente

Janeiro de 2017 marcou o lançamento da agência de saúde pública de todo o continente africano, os Centros Africanos de Controle e Prevenção de Doenças (Africa CDC), criada para ajudar os estados membros africanos da União Africana a responder a emergências de saúde pública. A Assembleia de Chefes de Estado da União Africana autorizou uma contribuição anual do orçamento operacional global da União Africana para 2016 para salvaguardar a saúde da África, vendo a importância do público como um elemento de impacto no desenvolvimento nacional, social e econômico.

A necessidade de um CDC África é endossar o apoio necessário aos países africanos nas suas metodologias de monitorização e resposta às ameaças à saúde pública, tal como foi reconhecido pela União Africana em 2013 e formalizado em 2015. Como instituição de propriedade africana, o CDC Africano está distintamente posicionado para ajudar a proteger a saúde do continente.

8. Dia da África como um feriado público

O Dia da África continua a ser celebrado tanto na África como em todo o mundo, principalmente no dia 25 de maio desde a sessão da primeira conferência em 1963. Para alguns africanos do continente e parte da diáspora, o Dia de África é um dia em que muitas culturas diferentes de pessoas de todas as origens africanas se reúnem para celebrar a diversidade da África, a organização da União Africana nos seus objectivos para um Estado africano descolonizado. Embora pareça celebrar o quão longe a África chegou, é também um dia para refletir sobre o quão longe a África ainda tem que ir na construção de um continente unificado e descolonizado. Países africanos como Gana, Zimbábue, Lesoto, Zâmbia, Mali e Zâmbia reconhecem o Dia da África como um feriado público.

9. Celebrações do Dia da África

A cada ano, uma série de diferentes iniciativas, celebrações e comemorações estão sendo realizadas em toda a África e no resto do mundo, marcando a relevância do Dia da África em nossas vidas hoje. Da comunidade internacional, a Irish Aid e o The Irish Times uniram forças para promover escritores aspirantes, emergentes e estabelecidos em uma competição para o Dia da África. Iniciativas da África incluem a Iniciativa JM Busha 54 Raças, que representa a paz e a unidade na África. A Iniciativa JM Busha 54 Raças chamou à ação todas as 54 nações, governos, líderes e indivíduos para fazer a sua promessa pela paz no Dia da África.

Além disso, a JM Busha 54 está realizando corridas no dia 28 de maio na África do Sul e no dia 25 de maio no Zimbábue para aumentar os objetivos de paz e compromisso em todo o continente. As iniciativas do JM Busha 54 são para levantar fundos para as missões de manutenção da paz da União Africana, mediação, reconciliação, resolução de conflitos e trabalho de gestão de crises na África e em outras partes do mundo.

10. “Dia da África”: silenciar as armas no Continente em tempo do Covid-19 – Tema do Dia da África 2020

Este ano, o Africa Day nos leva a refletir sobre o caos que a COVID-19 está causando não apenas em todo o continente, mas em todo o mundo. A pandemia da COVID-19 precipitou muito rapidamente a mais grave crise econômica global por mais de um século. O estado lamentável dos nossos sistemas e instituições de saúde para gerir uma tal pandemia tem sido exposto de forma dramática. Enquanto medidas e respostas governamentais à pandemia da COVID-19 impossibilitam as habituais celebrações do Dia da África, ouvimos dizer que muitos estão abraçando plataformas digitais para ouvir as transmissões dos presidentes, participar de workshops continentais e concertos musicais. A COVID-19 está dando um empurrão na economia digital hoje e, de modo mais geral, durante este tempo de crise.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support