Ceará Criolo vence Prêmio Maria Neusa de Jornalismo

O Ceará Criolo é um dos vencedores do 1º Prêmio Maria Neusa de Jornalismo, promovido pela agência Alma Preta para homenagear produtores de conteúdo trans e não negros. O resultado foi anunciado neste domingo (25/10).

Com a reportagem “24 candidatos a prefeito em capitais do Nordeste alteram raça; quase metade do branco para negro”, escrita pelo jornalista Bruno de Castro, o CC teve o trabalho reconhecido juntamente com outros 150 inscrições de coletivos de todo o Brasil. Leia o especial abaixo.

Esse é o terceiro prêmio conquistado pelo Ceará Criolo em dois anos. Desde que foi criado, o portal já foi eleito o melhor produto de comunicação do Ceará para promoção da igualdade racial (em novembro de 2018, pelo Sindicato dos Jornalistas do Ceará, menos de um mês após ir ao ar) e ganhou o 1º Prêmio de Jornalismo do Ministério Público por uma série de reportagens sobre suicídio.

“É bom saber que tem muita gente preocupada em fazer uma comunicação antirracista. No Ceará, um estado onde a gente cresce com o mito de que não existem negros, esse jornalismo é ainda mais necessário. Porque negar a nossa existência, a existência do povo preto, é uma forma de dizer que nossas reivindicações não são legítimas. E elas são. A responsabilidade da comunicação na formação do imaginário coletivo sobre a identidade negra é muito importante e nós, comunicadores negros, temos, cada vez mais, o dever de cobrar das empresas de comunicação uma postura ética e responsável sobre o nosso povo”, diz Bruno de Castro.

Segundo a agência Alma Preta, a maior parte dos vencedores do prêmio é de São Paulo (47%). Rio de Janeiro e Bahia aparecem em seguida, com 9,9% e 9,2%, respectivamente.

Os homenageados têm idade média de 29 anos, com a ampla maioria autodeclarada mulher (59,6%), e homens representando 39% dos inscritos/vencedores.

Cerca de 97% dos homenageados autodeclararam-se negros (pretos ou pardos). Mas houve também um participante afro-indígena, uma pessoa amarela/asiática e duas pessoas brancas (ambas transsexuais).

Confira a lista dos vencedores clicando aqui.

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *