Festa Literária das Periferias começa dia 29

Com uma programação cada vez mais negra, as homenageadas desse ano são Carolina Maria de Jesus e Lélia Gonzalez, autoras que estão na origem do cada vez mais potente do feminismo negro brasileiro

Tradicional por reunir poetas, escritores, pensadores e comunidade em um mesmo lugar, a Festa Literária das Periferias (Flup) chega à nona edição em formato on-line. As atividades acontecerão nos dias 29, 30 e 31 de outubro; e 1º, 6, 7 e 8 de novembro.

As mesas serão sediadas no Rio de Janeiro e os debates em Paris, Edimburgo, Madrid, Lisboa, Berlim e Joanesburgo, tendo como norte de discussão os impactos na sociedade pós-George Floyd. Toda a programação será exibida na página da Flup no Facebook e canal do YouTube.

Uma das atrações mais esperadas em todas as edições da Flup desde 2014 é o Rio Poetry Slam, primeira competição de poesia falada da América Latina. Diferentemente dos anos anteriores, a edição traz também, além dos 16 competidores, uma banca de jurados formada por personalidades LGBTQIA+.

Outro diferencial para 2020, além da competição, que acontecerá à distância, é que cada chave será aberta por performances de poetas de países como Argentina, Colômbia, República Dominicana, Chile e outros – uma prévia para o Slam das Américas, competição prevista para 2021.

GRANDES VOZES
Um dos destaques do dia 8 é o filósofo camaronês Achille Mbembe, autor de “Crítica da Razão Negra” e “Necropolítica” – ensaio tema da mesa de discussão. Já em solo brasileiro, o Ciclo Lélia Gonzalez coloca em pauta o conceito de “amefricanidade”, suas problemáticas e desdobramentos. Para as rodadas, nomes como Djamila Ribeiro, Carla Akotirene, Juma Xipaya, Dorinha Pankará e Cacique Babau.

HOMENAGEADAS
Com uma programação cada vez mais negra, as homenageadas desse ano são Carolina Maria de Jesus e Lélia Gonzalez, autoras que estão na origem do cada vez mais potente do feminismo negro brasileiro.

Para Carolina, foi dedicado um ciclo de debates que culminará com a publicação de um livro no qual cerca de 200 mulheres negras de todo o país, em diversas situações, fizeram uma releitura do clássico “Quarto de Despejo”, que celebra 60 anos em 2020.

Já o Ciclo Lélia Gonzalez traz para o centro da discussão vozes que retratam a categoria político-cultural apresentada por ela nos anos 80: a amefricanidade. Personalidades negras, indígenas e LGBTQIA+ se reunirão para um amplo diálogo chamado “Lélia Gonzalez, uma intelectual amefricana”, que será dividido por mesas dentro da programação. Além disso, a Companhia das Letras publica, no segundo semestre, uma coletânea dos ensaios mais importantes de Lélia, que será lançada na noite de abertura da Flup.

SOBRE A FLUP
Mais de 100 mil pessoas e 500 autores nacionais e internacionais já participaram das atividades da Festa Literária das Periferias desde 2012, ano da primeira edição.

Antes de chegar à parte central do Rio, na região da “Pequena África”, que engloba bairros como Gamboa e Saúde, o festival foi realizado em comunidades cariocas como Morro dos Prazeres, Vigário Geral, Mangueira, Babilônia e Vidigal — territórios tradicionalmente excluídos dos programas literários.

A iniciativa já foi reconhecida com os prêmios “Faz Diferença”, de 2012, oferecido pelo jornal O Globo, e o Excellence Awards de 2016, da London Book Fair. Assim como todas as edições anteriores, a programação deste ano é gratuita.

Festa Literária das Periferias (Flup) 2020
Data: 29/10/2020 a 8/11/2020
Programação: acesso remoto gratuito
Para mais informações, visite o site da FLUP: http://flup.net.br/
Facebook: https://www.facebook.com/FlupRJ/
YouTube: https://www.youtube.com/user/FluppRJ

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support