Queen apresenta-se como "a essência da beleza"

Por que Jaida merece ganhar Rupaul’s Drag Race

Jaida Essence Hall é a única negra na final do programa. Rupaul anunciará a vencedora em 29/5.

Muito embora seja uma pageant girl* e tenha como marca pessoal “a essência da beleza”, não é só pela estética espetacular que Jaida Essence Hall merece vencer a 12ª temporada de Rupaul’s Drag Race. Tampouco por ser a única negra na final, o que por si já faria dela candidata do Ceará Criolo.

Jaida deve ganhar o programa mais importante da comunidade LGBTI+ por ser a participante politicamente mais consistente do top 3 desta que foi a edição mais engajada dos 11 anos de programa. Pertencem a Jaida os pronunciamentos mais fortes sobre a necessidade de nos posicionarmos a favor da inclusão e contra a perda de direitos.

“Em tempos difíceis, é mais importante do que nunca ser patriota. Porque a gente precisa mudar. E agora a gente precisa muito de uma mudança”, disse ela em conversa com as demais drags.

O papo era sobre um certo homem branco e rico que despreza e persegue minorias, e aconteceu justo no episódio no qual elas participaram de um debate político como candidatas a presidente. E onde Jaida cunhou um dos melhores memes de todas as temporadas em meio a um enredo sobre confundir o eleitor para ser eleito. Quem não caiu na gargalhada com aquela sequência de “LOOK OVER THERE” para se livrar de uma pergunta tendenciosa? O jargão virou até merchandising de camiseta!

Jargão criado por Jaida foi o melhor da temporada e virou até camiseta de merchan

Também foi dela a reflexão da importância do voto e de acompanharmos o desempenho de quem elegemos. “Muitas vezes, nos dizem que política não é importante. Mas quem se beneficia disso? Dizem que não é importante justamente para não sabermos o que acontece.”

Além disso, das três finalistas, Jaida é a única que usa a imensa visibilidade que conquistou (ela tem mais de 300 mil seguidores no Instagram e outros 88,5 mil no Twitter) para conscientizar os fãs sobre política. São recorrentes as postagens para o povo americano votar. Nos Estados Unidos, diferente do Brasil, o voto é opcional. Para participar da eleição, é preciso efetuar um cadastro – mensagem essa reforçada em todos os episódios da temporada.

Jaida usa as redes sociais para politizar fãs sobre a importância do voto. Nos EUA, votar não é obrigatório

Seria incoerente justo a edição mais politizada do programa ter, por exemplo, Gigi Goode como vencedora. Ela é linda e talentosíssima. Mas admitidamente despolitizada, tendo um dos piores desempenhos no desafio do debate entre presidenciáveis. Crystal Methyd, a terceira finalista, até flertou com algum discurso político. Mas nada além de uma confissão sobre os pais serem eleitores convictos de Trump e como isso dificulta a relação familiar. E dificulta porque a própria drag prefere não discutir política em casa. Ou seja: um perfil semelhante ao de Gigi.

A vitória de Jaida seria a coroação de um perfil de preta que precisa ser replicado NO MUNDO: consciente da própria negritude, sóbria na leitura política do país onde vive, segura nos posicionamentos públicos, solidária à dor dos diferentes e inteligente nos argumentos. Porque a gente PRECISA sair desse estereótipo de o povo negro ser visto somente como preguiçoso, malandro, bandido, bunda de carnaval, de libido aguçada e bem dotado sexualmente. Podemos ser – e somos – perspicazes, talentosos, sensatos e geniais. Jaida Essence Hall, uma drag queen negra, orgulhosa da origem black e nascida fora do circuito das metrópoles turísticas norte-americanas, é a prova inconteste disso.

Caso ganhe, ela será (apenas) a quinta participante negra a vencer uma edição regular do programa. Sim, em 12 temporadas, Rupaul’s Drag Race só elegeu quatro queens negras: Beze Zahara Benet (Season 1), Tyra Sanchez (Season 2), Bob The Drag Queen (Season 8) and Yvie Oddly (Season 11).

Considerando-se as quatro edições de All Stars (que reúne ex-participantes), Jaida seria a sexta drag negra a vencer o programa – já que Monét X Change ganhou (controversamente, diga-se, preciso ser franco) a Season 4 junto com Trinity The Tuck (essa sim, merecedora).

Há quem diga que Raja, top 1 da Season 3, também é uma winner negra. Como nunca a vi autodeclarando-se assim (dentro ou fora do programa) nem levantando qualquer bandeira do movimento (idem), prefiro não a incluir na lista para não correr o risco de ser injusto. Pertencimento a etnia é coisa, antes de tudo, pessoal.

Temos, portanto, até hoje, apenas 30% de vencedoras negras em um programa cujo apresentador é negro e do qual inúmeras participantes negras extremamente talentosas já participaram sem ter a visibilidade que mereciam. Com o risco de esse indicador diminuir ainda mais, se confirmadas as expectativas de que Gigi deve ser a cotada (digo, ganhadora) desta edição.

Jaida Essence Hall é, de fato, a essência da beleza. Provou isso todas as vezes nas quais pisou na passarela do palco principal de Rupaul’s Drag Race e enalteceu o poder da mulher preta. É incontestavelmente linda. Mas torna-se ainda mais bonita quando abre a boca e fala do que todo negro está cheio: de sede de justiça e igualdade.

A DRAG E O PROGRAMA
Jaida Essence Hall é a drag criada por Jared Jhonson, um jovem negro da cidade de Milwaukee, no estado norte-americano de Wisconsin. Venceu três desafios principais do programa (um de moda, um de improvisação em atuação e um de cunho político). Ficou apenas uma vez entre as piores e foi para dublagem.

O PROGRAMA
Rupaul’s Drag Race foi ao ar pela primeira vez em 2 de fevereiro de 2009. Leva o nome de ninguém menos que a drag queen mais famosa do planeta e já ganhou inúmeros prêmios de televisão. É produzido pela World of Wonder e dá à vencedora o prêmio de CEM MIL DÓLARES.

* Garota de concursos de beleza

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support