A XP Inc. irá financiar bolsas de estudos integrais para mulheres e pessoas negras em curso de Ciência de Dados oferecido pela Tera, startup de educação para economia digital, com o intuito de potencializar a diversidade no mercado de tecnologia do Brasil. Serão 50 bolsas no total, com cada metade reservada a um dos grupos abrangidos. A iniciativa representa uma ampliação do programa de diversidade da startup, o DiversiTera, e tem como objetivo potencializar a diversidade na área, em que 83% dos profissionais são homens, entre 22 e 32 anos, e com alto nível de escolaridade.

O curso é 100% online e pautado por uma trilha de empregabilidade em que estudantes contam durante todo o processo com mentorias exclusivas sobre movimentação de carreira, suporte na construção de portfólios e conexão com vagas em empresas parceiras. As inscrições estão abertas até 21 de novembro em: http://programas.somostera.com/diversitera-ciencia-de-dados-by-xp-inc

Projetado junto com as maiores lideranças em Ciências de Dados do país, o curso segue o padrão Tera hands-on, permitindo que os aprovados apliquem seus conhecimentos em desafios reais assinados por grandes empresas do país, tendo contato direto com líderes do setor e desenvolvendo seu próprio projeto.

Os temas abordados vão desde disciplinas como Análise e Estruturação de Dados até técnicas avançadas em Machine Learning e desenvolvimento de competências em storytelling e visão de negócios. Além disso, os selecionados aprenderão a analisar dados estatísticos, assim como a comunicar seus insights, utilizando ferramentas e técnicas atuais do setor — como Python, bibliotecas de Machine Learning e outros —, podendo ainda se envolver em programas de contratação da gestora de investimentos.

Segundo Leandro Herrera, fundador e CEO da Tera, o projeto surgiu pela falta de representatividade no setor de tecnologia, que não reflete a realidade da população brasileira. Em contramão com a crescente oferta de vagas, especialmente para profissionais da área de dados, mulheres e pessoas negras, respectivamente, representam mais de 51% e 55% da população brasileira, mas nem 40% das pessoas no setor. Por isso, desde 2019, a edtech oferece bolsas parciais para esse grupo, como também para LGBTs, com renda mensal comprovada abaixo de R$3.500 — já tendo beneficiado mais de 500 pessoas por esse modelo.

O curso de Ciência de Dados será ministrado de forma remota, no período noturno e tem início a partir de janeiro de 2022, com duração prevista de até nove meses. Os selecionados para as bolsas serão avaliados de acordo com perfil e disponibilidade das vagas, sendo consideradas apenas maiores de 18 anos, com o Ensino Médio completo e com renda familiar mensal per capita igual ou inferior a três salários mínimos. No fim, os estudantes terminam a jornada com certificados de conclusão que reconhecem ao mercado de trabalho as habilidades e competências que foram desenvolvidas ao longo de sua formação.

Share.

Leave A Reply