14 de Abril, 2021
MOPI6

Ancestralidades negra e indígena são tema de espetáculos de dança

A primeira semana de apresentações da 6ª Mostra de Artes do Porto Iracema das Artes (MOPI 6) trará cinco apresentações em dança, cujos temas serão, entre outros, as ancestralidades negra e indígena, discutindo também o papel feminino nas narrativas e trazendo recursos tecnológicos à linguagem do corpo. O evento acontecerá no Teatro B. de Paiva, no Porto Dragão, de terça (04) a sexta-feira (07), sempre às 19 horas. Os ingressos serão distribuídos gratuitamente, meia hora antes de cada sessão.

Os projetos “Cavalgada Selvagem”, “CorpoCatimbó”, “Intergaláctico” e “Iracema”, este último também em versão infantil, são produções dos percursos formativos do Laboratório de Dança do Porto em 2018.

Projeto Cavalgada Selvagem Jorge Silvestre e Diogo Braga 1
Foto: Jorge Silvestre e Diogo Braga

Cavalgada Selvagem

4/12 – 19h

Jorge Silvestre e Diogo Braga

Criação de Diogo Braga, Natália Coehl e Thales Luz, com orientação dramatúrgica de Marcelo Evelin, o projeto é uma investigação coreográfica onde os corpos são percebidos no estado de desidentificação e libertação do controle de elementos presentes nos moldes sociais normativos. O projeto foi desenvolvido a partir de pesquisa sobre a mitologia da bruxa antiga, em seus voos noturnos e orgias sabáticas, como imaginário para dar forma a corpos e desejos marginalizados.

CorpoCatimbó

5/12 – 19h

O espetáculo que reflete sobre o corpo contemporâneo em diálogo com a ancestralidade. Desenvolvido pelos artistas-pesquisadores Viana Júnior, Gerson Moreno e Pai Mesquita de Ogum, de Itapipoca, o projeto investiga como os elementos corporais da Jurema Sagrada, culto brasileiro que trabalha com espiritualidade na incorporação de entidades, como caboclos e pretos velhos, têm potencialidade de fundamentar a criação em dança.

CorpoCatimbó Foto de Letícia dos Passos 1
Foto: Letícia dos Passos

Intergaláctico

Projeto Intergaláctico Divulgação
Foto: Divulgação

6/12 – 19h

Intergaláctico é uma obra de dança processual criada pelos artistas Maria Epinefrina, H-umano, David Leão e Tiego Campos. Interpretado, dirigido e coreografado pela bailarina Maria Epinefrina, tem orientação dramatúrgica de Armando Menicacci. A pesquisa artística e acadêmica em dança e multimídia questiona os espaços ocupados pela corporeidade. O corpo intergaláctico é um corpo potente que tem consciência da sua expansão e desdobramento no espaço e no tempo, trazendo esse corpo para nossa contemporaneidade.

Iracema

Projeto Iracema Foto Alan Sousa 1
Foto: Alan Sousa

7/12 – 17h (infantil) e 19h (adulto)

O Projeto Iracema reflete sobre questões relacionadas à figura da mulher propondo uma pesquisa artística pautada na imagem de Iracema, principal personagem feminina do romancista cearense José de Alencar. A pesquisa também pensa e discute o sentido da presença feminina na composição do processo histórico das comunidades indígenas do Brasil. Ainda, Iracema traz consigo uma simbologia do que seja uma possível “cearensidade”. Em sua versão infantil, o espetáculo não se limita a contar a história da índia, mas tenta “imaginar que outras histórias de Iracema podem ser dançadas”. Na mesma vertente, o espetáculo adulto “Tudo passa sobre a terra” segue discutindo questões dos povos originários do Brasil no passado e no presente, sempre na perspectiva da presença feminina nesses recortes temporais.

 

 

 

SERVIÇO

O que: Ancestralidades negra e indígena são tema de espetáculos em dança na MOPI 6

Quando: De 4 a 7 de dezembro, às 19 horas

Onde: Teatro B. de Paiva, no Porto Dragão (Rua Boris, 90, Praia de Iracema)

Gratuito e aberto ao público

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *